Pesquisar este blog

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

sexta-feira, 10 de junho de 2011

O FILHO DE ARSE


Por mais que parece algo muito fora de um comum para qualquer outro, ele era completamente rosado. Não era tom de pele, ou por ter a pele muito branca e ter ficado ao sol ele estava rosado, não foi por que havia vodca de mais em nossa festa, ou por que raiva ele sentiu de muita gente. Não havia nenhuma explicação. Ele não estava corado. Ele realmente era completamente rosado.

Me intrigou saber desse fato assim que cheguei e a banda que foi convidada para a festa executava “hell’s bells”, me interessavam mais as carnes frescas prontas para meu tributo noturno, já que todos se ofereciam como que pendurados em bancas frias de açougue, a diferença é que não se tratava de nenhum de nossos ritos e sim apenas mais uma pequena e fugidia permanência.
Quando cheguei me receberam com beijos e falas. As mulheres que conhecia, me acenaram, as que não me conheciam abriram olhos. Não havia sequer em mim traço algum de que meu tempo era fora de minha aparência. Mas quando eu vi de relance entrar na casa, algo róseo como o interior de um yogurte.

Imagino eu que naquele instante não me dei conta, até digo a vocês pra mim não atingiu sequer a córnea, mas ele era realmente róseo. Eu ainda com uma grande taça de vinho (como que de costume), fingia não perceber interesse nem sorrisos, mas ao meu ouvido chegou a seguinte história.

- Está aqui Mediah. Filho de Arse. Lembra-se que Arse teve um filho? Então! Ele veio hoje a nossa festa. O pai dele disse que não haveria problema algum convidá-lo. E eu convidei.
Aproximaram-se duas jovens criaturas.
- Lembra-se de Arse? O que nos vendeu 50g de sementes frescas? Ainda mais agora... Lembra? Pois bem, deixa te contar. O filho de Ares, Mediah, é rosa.

E todos riram.

Eu olhei a todos os que riam próximos a nós e alguns próximos mesmo sem estar com as orelhas ao alcance, farejavam os assuntos como que se fosse assim a noite toda. Não me espantei em nada ao ouvir tal assunto. Dei de ombros. Mas o riso debochado de Mael’Thriel fez com que meus olhos buscassem entender. Por conta de longa idade eu e ele já vimos muitas coisas, desde ninfas gregas e sátiros flagrados num fragmento de tempo, até mesmo cinco garrafas completamente cheias de sonhos, mesmo que fosse incomum ter bebido demasiado, Mael’Thriel nunca seria ingênuo a debochar de um de nossos filhos.
E assim o fez por alguns instantes, não me interessando nem um pouco, já que aturdido pela banda que encerrava o show, e a cantora que perfeitamente em seu abrir de lábios loiros eu já conhecia, me desloquei para a direita onde estava a garrafa ainda fechada de Vinho.( Me lembro de Mario e Lúcia, quando numa festa sempre bebiam de garrafas abertas por eles).
Mas ao abrir a garrafa, encho minha taça e laço uma das amigas de Mastreiliel pelos braços e sigo em direção a banda. Não dou nem 17 passos e vejo Mediah. Ele era róseo, como disse antes ele era róseo. E em sua Mao uma taça vazia, olhei de cima a baixo, e enchi sua taça.
- Você é Mediah, Filho de Arse, lembra-se de mim? Ainda assustado me olhou como se eu fosse louco e em sua mente dissesse “Ei! Eu Sou ROSA!” . INSISTI. Não deve se lembrar, sente aqui comigo vamos conversar.

Meus caros, coleciono histórias!

Perguntei a ele sobre diversas coisas corriqueiras e assim ainda olhava para mim como se eu fosse tão ruim quanto todos os outros, que achavam que ele era “ROSA”, mas é CLARO ELE É ROSA. Mas em nenhum momento eu disse que ele não era. Apenas não fiz como os outros que diziam, “ele é rosa” e em seus pequenos universos destruídos pensavam “ELE É ROSA DEMAIS”.

Apenas queria que ele se sentisse apenas rosa. Nesse instante me olharam como se eu fosse rosa demais, apenas por que ele era rosa. Sabe, muitas coisas falei com ele, pouquíssimas ele me respondeu, mas certamente de uma coisa eu jamais esquecerei, poderia ser do jeito que fosse ele, ninguém tinha o direito de julgá-lo, pois as vezes achamos que o outro é “Assim ou Assado” quando no final, somos todos VERDES DEMAIS PARA AS CORES DOS TEMPOS.

sábado, 26 de março de 2011

Por Mais Que o Silencio me Perturbe


Antes mesmo que acordassem, o som da manhã lhes chegava a vidraça, que de tão próxima a estrada fazia dos automóveis a trilha sonora matinal. Mesmo que antes da primeira cantiga dos relógios desfizessem os sonhos mais absurdos, o ruído incursivo dessa manhã, penetrava nos móveis e sacudia a mobília. Ela ainda se fazia gato sob o lençol, e aturdida como que se em queda em pleno vôo, abriu legalmente a boca, sem mesmo abrir os olhos e vasculhava travesseiro que lhe servisse de surdina... (mal sabia ela que essa manhã nem ao menos começara).

E cada vez que uma manada automotiva explodia em meio aos campos de asfalto, ela resmungava, certamente por que estava a rever as coisas dos dias em seus delírios mais incomuns, ontem mesmo, ofegante, sussurrava algo como palavras em alemão, algo muito estranho para alguém que não sabe nem um tanto de um "liebe". Mas mesmo assim ela reclamava, mesmo que ele não entendesse algo sequer fosse apenas um pequeno tilintar em meio ao sono absurdo que se aplacara sobre sua alma, ela reclamava. Podem até dizer que aquela manhã demoraria mais duas horas a chegar, o que mentira totalmente não era, mas mesmo assim, para esses dois ouvidos treinados ao silencio de todos os dias, já era pleno dia.

Em seu sonho, ele estava em seu descanso preferido, som um céu azul e um sol implacável. Apenas observando o movimento dos mares. Ouvindo a brisa que se fazia plena aos ouvidos, ensaiados assovios graves que aos poucos sussurravam explosões graves, com um tom de obscuridade, que em seus sonhos eram transcritos como ondas que se quebravam em alturas um pouco maiores que as outras.

Não tirando as cores de pinceladas nessa pintura de sonhos, que por mais que estudadas pelas belas artes, metamorfoseava-se, transmutando em tons, mas não em formas. Ergueu passos firmes na areia macia (ela até sentiu um leve coice), onde cada vez mais se aproximou do destino das águas, o som de um carro a passar o faz virar em direção a estrada e nada demais apenas o leve sono continua. Sente a pancada da água em seu dorso e sorrindo deixa banhar-se nas águas, ainda sente como se quisesse acordar, mas o sono lhe é tão forte quanto o maior dos titãs.

Ainda olha novamente para a estrada, mas a água quente e convidativa a banhar os pés não permite o abandono, talvez depois de um bom mergulho, após deixar a água tão agradável tomar conta de toda a sua extensão, talvez depois de tocar o fundo da areia sob a água, tentar saber o que acontece, talvez até mesmo decidir cortar a parte fresca da areia e cometer a loucura de ir até a areia escaldante, ou até mesmo enlouquecer ao máximo e seguir para a estrada, mas agora não. Agora somos um, o mar e ele, em pensar que a pouco houve a leve impressão de que a manhã estava chegando, mas esse sono parece que vem da noite mais profunda. Poder sentir o calor
dessas águas banhando minhas pernas enquanto da arrebentação ensaio mais um mergulho me deixo aqui por um tempo, sentindo os solavancos das ondas que acariciam minha plenitude, depois o tempo segue.

Em seu sonho, claro que ela resmungava, se não fossem coisas tão comuns todo dia, palavra essa maldita desde sua invenção, CO-TI-DI-A-NO. Ela hoje sonhava com muitas coisas a primeira foi a chatice que a vida tornava a ser. A um ano atrás, houve um sorriso, e esse sorriso mudou o todo. Mas hoje o sorriso murchou ao abrir de uma porta e deitar-se ao seu lado foi como cravar um dente de sabre no mais profundo do seu pé. Ou até mesmo deixar atravessar a carne uma afiada ponta de lança.

Mas ela o amava, e assim como a perturbação sonora nos aturde, assim são os capítulos dos sonhos, eles saltam em todas as direções, seguindo uma métrica que ninguém jamais irá decifrar. E foi assim que saltou para outra estória, lembrando o dia em que chovia e ele foi lhe buscar no trabalho, trazendo uma sacola branca, onde os dois riam tanto e abraçavam-se e beijavam-se. Tanto que quem os via sentia inveja de tanta felicidade, aponto de até sorrir, sem preocupar, de demonstrar que eles eram ambos um todo.

Ela abriu a bolsa e retirou um guarda chuva, ele sorriu e mostrou como sua roupa estragada pela chuva estava totalmente encharcada, e talvez o utensílio não fosse tão funcional, ela estendeu a mão e abriu um sorriso como se dissesse, que tolice a minha, já não me serve mais e arremessou ao ar aquele embuste. Lembrou do detalhe das roupas, como as letras escrita sem sua camisa, e da cor de sua calça preta, antes de beijar seus lábios, ele fala algo, ela sorri. Beija.

Entrecortado por um esbarrão, assim são os capítulos dos sonhos, que mais uma vez saltam em qualquer direção, e levando ao absurdo da queda, onde ela agora em seu sonho está de pé na porta e olha a estrada, vendo o trânsito pesado na frente da escola, ainda percebe as crianças cruzarem a rua, sente a alegria fluir por entre os olhos ao ponto de querer a loucura de gerar uma vida, loucura essa que exigiria coragem, de todos eu acredito, mas eu espero, onde ela observa os passos, onde ela observa as cores.

Vão as crianças pela calçada. E nessa manhã uma brisa leve como uma faca afiada perambula pela rua, seu cabelo se move com essa brisa e fecha os olhos, ainda tem a menção de querer erguer do sono, mas permanecer em seu leito é melhor do que perder as cores dessas telas. Ainda sentido a brisa fecha os olhos para a realidade e os abre para os sonhos. Assim vê uma das crianças com pequenos papéis coloridos nas mãos, e sorri.

A brisa amiga, muda de direção e nas mãos da criança se faz a vilã, e numa armadilha cruel espalha os lindos papéis pela rua, se não fosse essa mulher atenta a porta, o perigo a espreita, seria o algoz dessas meninas. Um carro vem pela estrada e apenas buzina. E mais uma vez as paginas desses sonhos se viram para o lado e um esbarrão forte a joga longe. Uma leve dor, mas uma cor tão azul, penetra-lhe os olhos.

Ela, agora, sob um guarda sol, acorda e olha em direção ao mar, ele a frente de pé olha para trás, ainda antes de seu mergulho ensaiado faz pose de atleta e joga-se as ondas, ela ergue-se e, na preguiça dos verões. Olha para a estrada e ouve buzinas e outras coisas, mas a vontade de ir para o mar faz dela um albatroz em pleno vôo. E assim que, temerosa chega próxima a água teme estar fria. Mas corajosamente vê ele nas águas. Esse temor que toda mulher tem, e que se faz desnecessário em dias escaldantes de verão. Por um segundo desliga, e fecha os olhos, mas o mar não descansa os seus, e lambe-lhe as pernas, com um hálito agradável de raras manhãs de verão. Assustada olha para o mar e o vê boiando corajoso nas marolas que lhe envolvem.

Mesmo sentindo uma enorme necessidade de acordar, fica mais um pouco, e mergulha de vez ao encontro dele. No mar o beija e ele a beija. Deixando-se levar pelas caricias do mar. depois o tempo segue.

NOTA DE UM JORNAL LOCAL: ESSA MANHÃ, PRÓXIMO às 5 da manhã, num viaduto do centro, um carro, onde o motorista encontrava-se sem qualquer sinal de embriaguez, perde os freios na curva próxima aos prédios de um condomínio de luxo, entre o km 2 e o km 3, sendo arremessado em alta velocidade para fora da pista em direção aos prédios. Atravessando a janela do quarto de um apartamento, onde um casal que adormecido, atingido em cheio, ainda nas delongas do sono, morre fulminantemente.

terça-feira, 15 de março de 2011

Hecate




Posso derramar essas palavras

Aos olhos daqueles que me esperam

Apenas para não estar sozinho

Na penumbra dessa noite que me assusta

Uma Imagem...

Faz cruzar este caminho, com matilhas

de ferozes bons amigos



Tais palavras, Essas sim, soam terríveis

Lembrança... Odeio-t

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

BRANCA ... Quanto me conheces


1.

Em todos os momentos ela me olhava
Como se desejasse mais de mim
Como se precisasse mais de tudo
Lentamente, pude ver que me queria...
... sabe quando nada mais importa
Além do beijo quente em noite fria
Por um segundo apenas? ..."
Estremeci, como se estivesse com medo
Ela antes havia contado histórias
E eu, as ouvia com esmero
Agora ela me contava detalhes
Despi meus pensamentos de qualquer outra coisa
Ela entregou-se...
Num beijo rápido...
Como que saltasse das alturas
Aventurando-se nas entranhas da vida
Um novo universo...
Explodimos em cores infinitas
Ela por segundos se entregara
Eu por um segundo fui seu par."

2.


Nesse instante ela me sorri
Como se quisesse algo mais
Surpreendo-me com ela sobre mim
Surpreendo-me com seu bailar
Ela agora, e sempre, diz ser minha
Eu A Amo
Ela se diverte, enroscasse em meio as minhas pernas
" ... sabe quando nada mais importa
Além de um sorriso lapidado
De mulher que diverte-se ?..."
Ainda sorrindo
Pede que eu seja forte
...
Ainda sorrindo, pede que seja mais
Ousa em decifrar meus olhares
Ousa desejar mais de mim que outro ser qualquer
Me surpreendo ainda com você e seus olhares
Eles são eternos...

3.

Era noite alta, e na noite despertei
Ela ao meu lado adormecida,
Despertou em mim o desejo de mil noites
Vi seu corpo assentado, no desnível de sua cama
...
Toquei-lhe o umbigo e beijei seus lábios
Ela suavemente despojou-se de si
" ... sabe quando nada mais importa
além do levitar de corpos sutis
Sobre o Leito das Horas? ..."
Isso não conto a vós
Deixarei desta vez
Que vossas imaginações escrevam as linhas abaixo...
Amo Você Pelas Horas dos Dias...

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Guerra da água


Grandes amigos, e caros ou baratos leitores, venho falar do que já acontece, nós estamos travando uma guerra que não vamos vencer nunca, se não mudarmos nossos hábitos, estou falando de nosso desperdício com tudo.

Intitulei "Guerra da Água" para que pudéssemos perceber o mais importante, preservar, pois passamos de consumidores a "gafanhotos"... não o "gafanhoto" aprendiz de artes marciais, mas o "gafanhoto" (Caelifera da ordem Orthoptera) inseto... percebi ontem na praia... o mar azul, o céu azul e a areia suja... mas acho que não é só aqui em minha visão... nem só na praia, mas em todas as direções...

Produzimos mais lixo do que podemos limpar, mas temos que limpar primeiro as nossas mentes, essas estão poluídas de uma necessidade exagerada de ter e ter que ultrapassamos a razão, ora gente... todos hoje temos tudo a mão, até mesmo a informação, não sou apenas eu que gryto, mas todo o mundo grita... o céu não fica azul o suficiente para nós? Nem o mar é tão azul quanto desejamos? Ou será que a areia que pisamos deve ser mais suja que o de costume?

Faço agora um jogo:
1) Pense em um número de 1 à 10!
2) Multiplique ele por dois!
3) Observe o nº de objetos em sua visão e veja se o nº coincide com o valor que pensou!

Resultado: MENOR: muito bem onde você está existem poucas coisas que consomem energia, portanto em outro lugar bem próximo de você, há um estoque de eletrodomésticos que fazem tudo

Resultado: IGUAL: VOCÊ é um consumista normal

Resultado : MAIOR: para que tanta coisa, entulhada em sua casa? para que tanto lixo a acumular pelos comodos, daqui apouco algo quebra e ai... vai pro lixo... depois pro gari ou catadores... depois pro lixão...

Realmente, necessitamos de tudo, de tvs, de rádios, de celulares, de computadores, de geladeiras, fogões e fornos, entre outros objetos, mas pra que tanta coisa... ontem mesmo um amigo trocou o carro, o modelo 2010 já era passado, comprou um 2011...

o carro velho foi pra onde?
me ofereceu carona no carro novo.... e eu perguntei: é biocombustível?
ele respondeu: Pra quê?
...
...
...
eu fui a pé

Sei que dependemos de tudo isso... mas amanhã quando os combustíveis fósseis estiverem no final, não vai adiantar migrar para energias mais limpas, nem para fontes alternativas.... pois os mares estão poluídos como as areias que falei, e o azul do céu já estará enegrecido o suficiente para que todos nós não consigamos respirar sem se intoxicar

Pense em energia...

Pensou em quê? Luz elétrica? Energia eólica? Solar? Atómica?

Pense em energia vital...

ah pense bem mesmo pois toda ela pode vir a a acabar

proponho um rodízio semanal mande suas sugestões

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Noções Básicas Para Entendimento Atual - O tempo


"O TEMPO" é Relativo ... Pois é estamos tão preocupados o tempo todo com o próprio tempo... se teremos tempo de fazer o que programamos... ou se chegaremos a tempo naquele compromisso... ou se conseguimos juntos com nossos parceiros gozar ao mesmo tempo... ou se estamos fazendo tudo no tempo certo... tudo MESMO...

"O tempo é relativo e não pode ser medido exactamente do mesmo modo e por toda a parte."
Albert Stein...

Em todo o tempo estamos medindo o tempo e estamos também em todas as direcções em nosso mesmo estado de tempo... por hora digo isso por que acordei após mais umas das centenas de noites de sono curtas... E essa noite pude ter certeza que ao mesmo tempo existem infinitas possibilidades de tempo...

Imaginei isso depois de assistir aos "efeitos" borboletas, e criei até uma teoria que todas as horas e em todos os momentos criamos diferentes e diversas realidades de tempo... isso por que: imagine se você tivesse ido naquele show... ou se você tivesse ido naquela festa... ou pior ainda se num outro instante, nesse mesmo momento, em outro realidade, o nazismo tivesse triunfado... ou mesmo até se deixássemos de descobrir o fogo... então esse paralelismo e essa subjectividade toda exprimem realmente o que é o tempo...

E eu acredito que o tempo que vivemos agora seja resultado de uma equação muito extensa que define apenas os futuros possíveis, anulando os impossíveis e mostrando que através dos resultados diversos dessa equação, conseguimos estar em todas essas realidades simultâneamente... mas esses infinitos factores coexistem e anulam as nossas realidades restando apenas um futuro possível dentro de todos os resultados existentes... Bom deve ser meio complexo estar em vários lugares ao mesmo tempo...

Não somos onipresentes, por isso todas as outras realidades são anuladas para que apenas uma sobressaia...

Então vamos lá se isso tudo acontece ao mesmo tempo e só existe uma realidade, e se esse resultado dessa equação tão comprida seja tão simples que nem conseguimos imaginar como calcular... Um exemplo de que essa improbabilidade gera o menos que um por cento (- 1%) é que somos fecundados na maioria dos casos em meio a milhões de outros espermatozóides... esse menos que 1% define um resultado muito exato de infinitos fatores ...

Acredito que tudo o que nos acontece no dia ou na noite seja também resultado dessa nossa equação... alteramos em todo o momento o resultado de nossa equação... e a cada segundo o resultado se altera... E a cada fato sempre enxergamos em todas as direcções que a nossa equação temporal nos mostra, mas o nosso calculo constante e para chegarmos ao resultado que permite que toda a realidade e todas as nossas sanidades sejam mantidas acertamos a merda do resultado...

Os nossos "imagine se... ou se eu tivesse... ou o se eu fosse.... ou todos os se assim ou se assado", são os resultados errados paralelos de nossas escolhas e as vezes, calculamos a meleca do resultado antes mesmo de fazer alguma merda... ou até mesmo fazendo uma merda o nosso resultado da merlin da putz da equação é o certo...

Se então estes resultados são todos certos, por que as vezes tudo dá errado... vendo pelo lado desta teoria então temos uma ambiguidade...

"ou todo o resultado desta equação que define todo o sentido da vida está certo, ou tudo está errado"

Sendo pessimista ao extremo não calcule... ou mesmo sendo otimista, não calcule, faça apenas escolhas certas, onde a sua ética, onde o respeito e a moral sejam mantidos em ordem, por que depois lhe será cobrado um preço no fim de sua vida, que talvez pese um pouco, ou talvez seja mais brando...

Ao tomar as decisões me sua pequena existencia leve em consideração que o Universo existe muito antes de você ser concebido e que em outra circunstancia voce é simplesmente o mais exato e perfeito resultado certo para tudo.

Ahhhhh! semana que vem tem blog de novo, seleu e gostou manda o link para todos, se não gostou manda também, vai que alguém gosta e aí... olha o resultado da equação
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget